domingo, 10 de janeiro de 2010

Trancas

- Aprendi a me virar sozinha e se eu tô te dando linha, é pra depois te abandonar! - ele bufou quando eu terminei de falar, levando às mãos no rosto.
- Por que você sempre tem que citar músicas nas nossas discussões?
Não respondi. Ele não merecia escutar minha voz agora.
- E agora vai ficar sem me responder? É isso que você quer, Adriana? Vai deixar tudo como tá?
Respirei fundo e comecei a juntar minhas coisas. Ele foi atrás de mim falando sem parar. Quando ele ia calar aquela porra de boca? Ele realmente acha que me tem nas mãos, na hora que quer. Já ia caindo na dele até notar que as coisas estavam fugindo do meu controle. Até parece que ele não ME conhece.
- ... eu me desculpo, tá bom? É isso que você quer ouvir?
- Não - fui fria - Não quero ouvir mais nada de você.
- Então você quer que eu desista? Que eu deixe você passar por essa porta e nunca mais voltar?
- Que bom que você chegou onde eu queria.
Odeio esse jeito romântico dele. Aliás, odeio praticamente tudo nele. A forma como seu cabelo loiro fica enrolado pra trás, deixando seus olhos escuros à vista. A forma como ele sorri quando se sente culpado, a forma como ele fica quando está excitado, a forma dele segurar o controle da tv e de se sentir extremamente confortável na frente dos meus pais.
- Não se faça de difícil... - ele se aproximava enquanto falava, mas eu estava preocupada demais em juntar todas as minhas coisas e dar o fora dali. Mais um minuto e eu o mataria - Você sabe o que eu sinto por você...
- Não, eu não sei! Eu não quero saber! - eu disse, pegando meu casaco e indo em direção à porta - Aliás, - eu disse, me virando - eu não quero mais saber de você!
Merda de porta. Justo na hora em que abri-la seria uma ótima ideia, não consegui. Tentei mais algumas milhares de vezes e quando notei, estava sacodindo a maçaneta.
- Quando você vai arrumar essa porra de porta? - eu disse, quando o senti bem atrás de mim.
- Quando você deixar de ser tão teimosa e mimada... Talvez. - Ele me abraçou.
Como havia uma enorme porta na minha frente, ainda trancada, não pude me soltar daquele abraço. Respirei fundo enquanto ele beijava meu pescoço.
- Vamos, anda, isso é cena, você não tá nem com raiva de mim, eu sinto isso! - Ele disse, com aquele tom de voz que eu tanto detestava.
- Abra. A. Porta. Agora.
- Dri...
- Agora. - Ele me soltou.
- Então é isso?
- Por que você sempre tem que ser tão clichê? Tem que fazer essa pergunta estúpida de novela? Tem que me segurar no último minuto, correr atrás de mim, essas coisas que você sabe que não funcionam comigo? Eu odeio cada parte de você, Carlos, e digo isso em alto e bom tom! Eu quero ir embora! Você poderia abrir a porra da porta?
- Não. - Ele me segurou pela cintura, sorrindo - Eu adoro esse seu jeito nervoso, quando suas narinas inflam e seus olhos se mexem em total sincronia acompanhando os meus. Adoro quando você diz que me odeia. Chame de mazoquismo, o que for, mas eu amo você. Você não admite, mas sente o mesmo.
- Me poupe, Carlos, tenho mais o que fazer!
- E não é verdade? - Ele beijou meu pescoço.
- Sai de mim - Eu o empurrei pra longe -, você não sabe o que signica - fiz sinal de aspas com as mãos - SAI FORA?
Ele continuou de lá sorrindo, exatamente como no dia em que nos conhecemos. Eu disse que não queria conversar com ele, e ele me olhou assim. Eu deveria saber que homens desse tipo não são nada desistentes.
- Se quiser ir, vá. A porta tá aberta, só a tranca de cima que não.
Eu o olhei com ódio, como se que o que ele estivesse falando fosse mentira e então, ainda com aquele sorriso irritante na boca, ele apontou pra porta logo atrás de mim. Me virei rapidamente e notei: a tranca de cima ainda estava lá, e era só aquilo que me impedia de finalmente dar o fora.

24 comentários:

  1. uaaau, que perfeito que tá! muuito bom meesmo!

    beeijo

    ResponderExcluir
  2. Adorei!!
    não tem palavra melhor pra definir: está perfeito!!
    bjus

    ResponderExcluir
  3. Muito excelente,..adorei sua forma de escrita,..parabens!
    Inté!

    ResponderExcluir
  4. É mesmo, Mariah! Acho que ele não reconheceu o numero, porque liguei do celular da minha mãe!

    Beijos ;**

    ResponderExcluir
  5. não sabe o que é sair fora? HAHAHA'
    legal seu texto!
    ps.: postei o quinto capítlo da história, lorena toma uma decisão.
    booa semana pra ti, beijo.

    ResponderExcluir
  6. Ta perfeito ,adorei!hdshdsh
    "você não sabe o que signica - fiz sinal de aspas com as mãos - SAI FORA?"hahahaha
    bjos
    mah

    ResponderExcluir
  7. sabe o que aconteceu depois? deu vontade de se entregar á teimosia dele.. por beijos;

    ResponderExcluir
  8. AAh eu adoreiiii *-*
    é uma série???
    Adriana é mesmo de fibra hein, mas com um cara desses é difícil naum se encantar... amei o sarcasmo dele
    ahuahuahu

    ResponderExcluir
  9. Ficou muito legal, mari. Parabéns.

    ResponderExcluir
  10. Oiiii
    estou passando pra responder a pergunta que você deixou no meu blog.
    Então, a história de Mary ainda não acabou, apenas a viagem que chegou ao fim.. mas ainda tem muita coisa pra acontecer...espero que continue acompanhando.. obrigada por todos os comentários que deixa no meu blog..
    bjocas

    ResponderExcluir
  11. uahaauhauaua,ficou muito bom..eu fiquei cóm dó do Carlos sei lá..uahaua...

    ResponderExcluir
  12. Demais esse texto, você escreve muito! Por acaso você gostaria de participar de um blog coletivo que eu tô montando agora? Caso você queira saber mais: vcsilva808@hotmail.com

    ResponderExcluir
  13. Do jeito que eu sou,certamente cederia a ele,e me arrependeria depois...tenho que aprender com essa personagem ai,to cansa de ser clichê...
    Sou muito romantica,mas tenho um lado realista que me gritap / deixar de ser sentimental, por que me ferro depois.Amei o blog..se der passa lá no meu!bjjj

    ResponderExcluir
  14. valeu por me seguir..
    Seu blog eh fantástico..
    eh uma pena q eu tenha começado a fazer propaganda do meu agora..eh pouco lido eu acho,e os meus melhores posts qse não tem coments
    rs

    ResponderExcluir
  15. Ah que bonito texto, essa coisa de citar musica é muito bom, eu adoro!
    beijos

    ResponderExcluir
  16. - Muito lindo o que escreveu! Tem dom mesmo, amei! encontrei o seu blog meio que pro acaso, sempre bom achar um que valha a pena. Bjus
    :D

    ResponderExcluir
  17. Nossa, estressadinha ela, hein? Mas, afinal, o que o cara fez pra ela querer tanto ir embora?
    Tem continuação?

    ResponderExcluir
  18. valeu pelo coment lá no blog...rs
    Queria saber se foi vc que fez o template do seu blog..sou louca p mudar o meu,mas ainda não achei algo que fosse ''a minha cara''...
    qria algo meio hippie,folk..
    Entre o rock alternativo e o romântico..é a minha cara :P
    Se der p me indicar um site ou alguém q faça template..sou péssima em net..tsc tsc..rs

    ResponderExcluir
  19. oooi,
    simplesmente amei,
    você escreve muito bem,
    Beiijo :*

    ResponderExcluir
  20. Imaginei Kristen e Robert nessa história. Completamente Robsten isso!

    ResponderExcluir

Todo mundo merece um comentário legal :)