domingo, 7 de fevereiro de 2010

Coisas que só mães fazem pelos filhos

- Vamos lá, menina, é hora de acordar... Vamos sair dessa cama, dar uma volta! Olha só que dia lindo! Por que não passear comigo e com os cachorros?
- Ai mãe, - eu disse, reclamando da luz - hoje é sábado. Tive aula a semana toda...
- Ficar trancada dentro de casa não faz bem, anda! Troca de roupa que eu to te esperando! - ela disse, puxando o cobertor.
Ela saiu do quarto no momento em que eu desistira de dormir. Levantei-me de forma rápida e sentei na cama. Fiquei zonza. Tinha sido rápido demais. Esperei a sensação de que tudo estava rodando passar e coloquei os pés no chão gelado. O calor estava insuportável e aquele simples toque fora um alívio. Arrastei-me até a porta do armário e peguei qualquer roupa. Depois de trocada, continuei me arrastando - ou pelo menos tentando, já que os cachorros não me deixavam andar de tamanha felicidade: eu finalmente estava acordada! - até a cozinha, onde tomei o café e acordei. O dia estava realmente lindo, minha mãe tinha razão. Perdê-lo dormindo não seria nada legal.
Minha mãe tinha planos em mente: ela não queria apenas passear com os cachorros. Ela queria fazer um segundo furo na orelha.
Entrei em pânico quando soube da notícia. Ok, vocês devem pensar agora, "meu Deus, o que tem demais num segundo furo? Que menina fresca! blá blá blá". Antes de tudo, não é frescura. Não sei exatamente quando isso começou, mas exerço um tipo de medo - mais forte do que eu, diga-se de passagem - por agulhas e coisas pontiagudas. Não sinto vontade de sair correndo quando vejo uma, mas me sinto extremamente mal. Começo a suar frio com aquele cheiro de álcool, e tudo fica confuso. Não consigo me controlar. Tentei respirar fundo. O segundo furo era para ela mesmo, não para mim. Estava tudo sob controle.
Entramos na farmácia, minha mãe escolheu um brinco simpático. Achei um bonitinho e ela logo se animou:
- Vamos lá, que tal se nós duas fizermos hoje?
- Não.
- Não dói nada!
- Não.
- Eu juro! Eu nem queria fazer, mas se você fizer, eu faço!
- Não.
- Por favor! Vai ficar ótimo, você não disse que queria?
- Mudei de ideia.
- Eu faço antes! Se eu gritar de dor, você não faz.
- Promete?
- Prometo.
Ela ganhara pelo cansaço. Nunca fora boa em argumentar com ela e eu precisava ser forte. Aquele medo tomaria conta de mim até quando? Tudo bem que não era exatamente uma agulha, mas uma pistola - que provavelmente tinha uma agulha afiada me esperando. Respirei fundo, peguei a caixinha do brinco e fiz que sim com a cabeça. Era agora ou nunca.
- Dói muito, moça? - perguntei, nervosa.
- Não dói nada, - ela disse, passando álcool na orelha esquerda da minha mãe - só arde.
- Mãe, se doer muito você me fala?
- Não.
- Ai, mãe! - eu disse, desviando o olhar quando ela passou com a pistola já pronta.
- Claro que eu falo, Mariah, deixa de ser boba! E por favor, não vá passar mal aqui. É só um furinho rápido e..
BLACK. Minha mãe estremeceu e olhou pra mim, sorrindo.
- Viu só? Já foi.
- COMO É? - gritei - VOCÊ TÁ BEM?
- Não dói nada, só arde... - BLACK na outra orelha - Bastante.
A moça sorriu pra mim e disse, apontando pra cadeira:
- Sua vez, querida.
Dava pra ver a alegria em seus olhos: ela torturaria alguém. Pensei em desistir e dizer que já estava feliz vendo minha mãe com dois brincos em cada orelha, mas eu não queria ser fraca. Eu não poderia ser fraca!
Sentei na cadeira, fechando os olhos. Nada estava pronto e como nada aconteceu, abri os olhos novamente. A moça estava de costas, arrumando as coisas e minha mãe olhava seu brinco no espelho.
- Ficou ótimo!
- Mãe...
- Vai passar mal? Se for, avisa logo que eu falo pra moça parar!
Fiquei com raiva. Quer dizer então que agora minha mãe me chamava de fraca? Se ela conseguira, era minha vez de mostrar pra ela que as coisas eram diferentes agora.
- Não, mãe. - falei, impaciente - Eu já disse que... - minha voz estremeceu. Aquele cheiro de álcool me deixara suando frio. Não, eu não ia ceder. Não agora, eu estava tão perto! - vou furar. Não precisa... - a moça veio com uma canetinha azul e marcou onde furaria. Por que eu não vira essa parte na minha mãe? - Você pode me dar a mão?
Ela deu uma gargalhada e segurou minha mão. BLACK, lá se fora minha vida. Ok, brincadeirinha. Devo confessar que não senti dor, só susto. O barulho era alto - talvez porque a pistola estava colada com o meu ouvido - e logo depois que o ouvi, tudo começou a arder. Foi suportável. Agora ela mudara de orelha e... BLACK, tudo de novo. Tirando a parte do susto, já que eu estava preparada.
- Prontinho! - A moça disse. Seus olhos agora estavam tristes. Dava pra notar que ela queria que eu sofresse. Pessoas desse tipo adoram maltratar pessoas como eu. Elas não fazem intencionalmente: são treinadas pra isso. São perfeitos vampiros! (no caso de enfermeiros e etc)
- Já foi? É só isso mesmo?
- Uhum, - minha mãe disse, saindo da salinha - se você passar mal agora, vou te bater até você voltar ao normal, tá?
Segui minha mãe. Encontrei meu pai e minha irmã sentados na farmácia. O tédio predominava entre os dois.
- Furou? - minha irmã perguntou quando me aproximei. Apontei pras minhas orelhas, enquanto abria meu maior sorriso - Não achei que você fosse ter coragem.
- Yeah, baby! - eu disse, animada - Quem é que tem segundo furo agora?
- A medrosa! - minha irmã disse, não perdendo a oportunidade de me zoar. Essa relação de irmão é meio complicada de explicar, talvez seja necessário mais de um post pra entender... Então, que fique pra próxima.

Um pouco mais tarde, me olhei no espelho. O brinco ficará ótimo. Minha orelha não estava inchada e eu não sentia nenhum tipo de dor. O sacrifício valera a pena e eu provara àquela menina ali do espelho o quão forte eu poderia ser. Sorri para a menina, Medrosa, pensei, é você!, e apaguei a luz do banheiro, voltando ao que eu estava fazendo.

36 comentários:

  1. Então, preciso confessar: eu sempre tive vontade de fazer o tal do segundo furo....portanto vc me deu força....e pensar que outro dia mesmo eu te segurava pra tomar vacina.....já está até dirigindo...O MEU CARRO!!!!!!!!!
    bjos com muito carinho e obrigada pela força...valeu!!!

    ResponderExcluir
  2. juro que nunca li nada do gênero 'drama' sobre furo de orelhas. nobel kd

    ResponderExcluir
  3. Ai que legal...
    É comum ter medos.. eu que o diga, afinal sou super medrosa..rsrsrsr
    gostei da história.
    bjos

    ResponderExcluir
  4. Obrigadaa.. Tudo bem com vc?

    Continua linda como sempre, né amiga?!

    Beijos ;**

    ResponderExcluir
  5. Minha irmã fez o segundo furo também, e ficou legal.
    Eu tenho medo de fazer, não pela dor, mas eu acho que não combinaria comigo.

    Adoro aqui.

    bjs

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Rá, experimenta fazer um furo na CARTILAGEM pra você ver que adorável que é a dor que você sente nos próximos cinco meses (ou mais) IHAIUHAIUHAUIHA

    ResponderExcluir
  8. eu disse que iria com você, hauahe, nem rolou. ainda bem que conseguiu, deve ter ficado legal :)

    ResponderExcluir
  9. Aí mary, você trasnforma momentos simples em uma obra de arte *-*

    ResponderExcluir
  10. Amei o comentário. Sua particpação é mais que especial. Bjão

    ResponderExcluir
  11. Eu tenho vontade de ter os egundo furo, só que não tenho coragem!

    Estou fazendo ''sistemas de informação'' na UNESC.
    beijos

    ResponderExcluir
  12. Não furo minha orelha.. já quis um dia, mas nunca furei. u.u’

    ResponderExcluir
  13. rsrs,...Só as mães são felizes!

    ResponderExcluir
  14. Haha. Eu também tenho medo de agulha, mas não é tanto... Tenho três furos em cada orelha. E quero por um piercing na cartilagem, mas tô sendo fraca... Adorei o blog! Beijo.

    ResponderExcluir
  15. Deu vontade mesmo! Eu num disse que ia pintar minhas unhas de verde! Pintei ontem, mais hoje pintei uma de cada cor!

    Beijoooos ;**

    ResponderExcluir
  16. ahaha,sim transforma simples coisas em ótimos textos!!Eu ameiiiii

    Bem,eu tenho 3 furos na orelha...to criando coragem pra furar a cartilagem,me deseja sorte :P

    ResponderExcluir
  17. - Obrigada pela visita. Seu blog está a cada dia mais pop. Seus contos estão uma delícia. Só as mães mesmo !!! RSRSRS
    bJO
    Apareça

    ResponderExcluir
  18. uahuahauhuhauhauahua...comigo é SEMPRE minha mãe que fica com medo...quando fui furar a orelha[3 vezes],quando fui fazer o piercing,quando fui me tatuar uahuahauhau

    ResponderExcluir
  19. As mães fazem tantas coisas pelos filhos..

    É mesmo meu tenso!

    Beijoos ;**

    ResponderExcluir
  20. Sabe, eu sempre quis fazer o segundo furo mais minha mãe nunca deixou! :S
    Bjus

    ResponderExcluir
  21. É, mãe é mesmo um bixo esquisito...nossa, mas essa história até que foi legal, narrativa sobre orelha...bem interessante...ahah

    Abração linda...adorei o blog...

    ResponderExcluir
  22. HAHA' que legal!
    beem que eu queria furar mais uma vez minha orelha, tenho 3 furos, minha mae que me incentivou :O
    raaa. queria furar o nariz mas ela não me incentiva u.u'
    HAHHA'
    boom feriado prolongado /carnaval/ e eu psotei mais um capítulo da história, e desculpa a demora por postar :) beijos.

    ResponderExcluir
  23. que massa! já senti vontade de fazer o segundo furo, mas sou medroooossaaa!

    bom carnaval, beijos.

    ResponderExcluir
  24. Oieee,bem eu bem q tentei ir pro carnaval..mas acabo d fazer um post dizendo q não deu certo!!!rsrs

    ResponderExcluir
  25. - Escritores como nós, tem que tomar muito cuidado com o que a imensidão dos nossos blogs podem provocar no trabalho...rs
    apareça
    bjossss

    ResponderExcluir
  26. Ah, ótima história.
    Demorei pra vir aqui, mas vim :)

    Me segundo furo foi terrível, fui furar na casa de uma amiga. Depois de quase 30 min no gelo, quando ela foi furar com a agulha de custura da mãe dela, dueu muito e sangrou bastante também, o gelo não tinha ficado tempo suficiente. Mas, como já tinha furado um, tinha que furar o outro. Só que a minha amiga, estava chorando num canto, limpando meu sangue que caiu no chão.
    Bom, tive que furar o outro sozinha, dueu mais ainda, e sangrou mais ainda, inflamou depois e minha mãe me colocou de castigo. Mas foi legal, meus furos me fazem mais felizes :)

    ResponderExcluir
  27. ah, eu acho lindo ! tenho 3 em cada orelha e depois fica super legal! ;*

    ResponderExcluir
  28. Ah, minha mãe até que é legal comigo. Mas, às vezes toda mãe extravasa.
    Adoro teu blog, flor! Beeeeijos ;*

    ResponderExcluir
  29. Ai, adorei o jeito que voce escreve, me prendeu até o final, e olha que foi um grande post, né? Sua mãe é encantadora em suas palavras. hahaha Fofissima.
    Também morro de medo de agulhas o máximo que consegui foi alargar a orelha 3mm =) e depois, desisti. Nem segundo furo eu tenho.. lastimável. hahah

    um beijo, gostei mesmo daqui :D

    ResponderExcluir
  30. Oiiii
    Estou passando pra avisar que tem selinho no meu blog pra você.
    bjos

    ResponderExcluir
  31. eu fiz o segundo furo e nao me arrependo :}
    na hora da medo sim rsrs
    bjos
    mah

    ResponderExcluir
  32. Eu tô na história *o*
    E aqui, eu quero que você explique essa 'relação' de irmão pra irmão ok
    KKKK
    Amei! :D

    ResponderExcluir
  33. Assim vc me motiva a fazer o segundo furo. Quando eu era adolescente, queria fazer, mas meu pai falava pra caramba. Daí decidi que quando fizesse 18 anos ia furar. To com 21 e nao furei ainda! É que um monte de gente me disse que eu sou "fofa" com um furo só e tal... daí, vai que o segundo fica ruim? além disso, eu tenho um fator agravante: furei minha orelha com 5 anos, na farmacia. E eu lembro que doeu. Doeu muito. Tenho trauma ainda. Vamos ver se um dia a coragem vem!

    ResponderExcluir

Todo mundo merece um comentário legal :)