quarta-feira, 21 de abril de 2010

Mamãe dando piti

Abri os olhos com certa dificuldade: além da vista embaçada, o sono ainda me deixava naquele estado em que não se está acordado, nem dormindo. Ao fundo, ouvia alguma música que não conseguia reconhecer. Senti minha cadela roçando seu fucinho gelado no meu braço, como se quisesse que eu acordasse logo.
- Que foi, But? Quer carinho? - eu disse, encontrando minha voz.
Ela continuou a me roçar, agora mais feliz porque viu que surtira efeito tentar me acordar. Eu conseguia imaginar a cena: seu rabo balançando freneticamente, enquanto meio abaixada, me cheirava e pedia carinho. Resolvi arriscar abrir os olhos, talvez agora minha visão já tivesse voltado ao normal. E voltara: a cena era justamente como eu imaginara a segundos atrás. Lá estava ela, agora olhando pra mim. Mas ela não parecia animada, parecia preocupada. Seus olhos pretos olhavam pra mim e depois pra porta, como se pedisse que eu levantasse. Resolvi prestar atenção à minha volta.
- Eu vou desmaiar! - ouvi minha mãe dizendo.
Num salto, talvez impossível pra quem acabara de acordar, corri ao quarto dos meus pais. Lá estavam os dois: minha mãe branca como a neve e meu pai a segurando. Ela estava passando mal.
Parada na porta, com a cara amassada e completamente descabelada, esfreguei os olhos e perguntei:
- Aconteceu alguma coisa?
Instantaneamente, pensei, mas é claro que aconteceu, sua estúpida! Olhe a sua volta, se as coisas estivessem normais, você nem teria levantado à essa hora da manhã! De um feriado, ainda por cima!
- Sua mãe, - meu pai disse, meio nervoso - não sei o que ela tem! Começou com um ataque alérgico e agora, acho que de nervoso, ela vai desmaiar!
Minha mãe parecia a Branca de Neve. Seus cabelos negros faziam um contraste enorme com a pele pálida. Ela tentava falar, mas nenhum dos dois dava atenção ao que ela dizia. Aquilo era uma vertigem de nervoso! Pensei num café, mas meu pai disse que não. Queria pensar em outras coisas, mas não sabia no quê, exatamente. Ela acabou deitando na cama, de qualquer jeito, pra não cair e fracassadamente, tentamos colocar uma bermuda nela. Se fossemos ao hospital, não a levaríamos de pijama, né?
Lembrei da pulsação. Seu pulso encontrava-se justamente ao meu lado e num rápido movimento, o segurei. Por instantes, não o encontrei. Tinham roubado o pulso da minha mãe?! É claro que não tinham. Logo assim que o encontrei e percebi que tava normal, sentei ao lado dela e fiquei esperando com que o mal estar passasse.
Os cachorros estavam em alarme. Davam voltas incompletas pela cama, subiam, cheiravam minha mãe, desciam, olhavam para nós pedindo uma explicação. Chininha deitou-se ao lado da minha mãe e ali ficou até ter certeza que ela estava bem. Às vezes levantava a cabeça, cheirava o ar e a encarava por alguns segundinhos. Como nada de diferente acontecia nesse pequeno espaço de tempo, deitava-se novamente. Já a But estava mais calma, mas não escondia sua preocupação. Colocava a cabeça na cama e abanava o rabo, pedindo carinho, notícias, qualquer coisa. Acariciei sua cabeça e disse que estava tudo bem. É claro que a felicidade de receber um pequeno afago foi muito maior do que qualquer preocupação e quando notei, ela estava deitada, de barriga pra cima, explodindo de prazer enquanto eu passava meus dedos por sua barriguinha rosada. 
Alguns minutos depois, minha mãe estava normal. A cor tinha voltado ao rosto. Agora ela parecia uma Branca de Neve coradinha, quer dizer, normal. Tinha sido uma pane no sistema, ou como ela mesma dissera, um piti. Só porque seu rosto começou a queimar (num ataque alérgico) e o remédio demorou 10 minutos pra fazer efeito, lá estava ela, achando que desmaiaria, que a pressão subiria, que seria o fim. No final riámos do acontecido. Logo ela, logo ela! Quem a gente nunca imaginava dando piti...

25 comentários:

  1. era tudo que você queria num feriado, né?

    :*

    ResponderExcluir
  2. hauheaue muito bom o post. aqui em casa acontecem coisas assim de vez em quando. minha mãe tem muita alergia, e se você um dia vier aqui e ouvir um barulho muito, muuuuuuito estranho de manhã cedo, é provável que seja ela tentando parar de coçar o nariz HAUEHAUEAE
    beijos, mariah.

    ResponderExcluir
  3. Já vi um pitti, mas nada como uma dose de carinho para melhorar né. bjs

    ResponderExcluir
  4. Nossa se isso fosse com a minha mãe acho que eu ia passar mal junto com ela.

    Sou mega nervosa.

    Bjs

    ResponderExcluir
  5. UHAHUAHUAUHAHU =))
    booa! tava com saudades! to voltando agora com o blog para valer, se pá passa lá, to continuando a minha história, a da lorena e do bernardo lembra? beijos

    ResponderExcluir
  6. :D lindo e adoráve!
    aaah, não sou eu que faço não amor, o lay, é minha amiga, eu que choro pra ela ajeitar (:
    bj,flor

    ResponderExcluir
  7. Ainda bem que passou...
    Adoro suas histórias!
    Beijos e eu tô com mais saudades, hã. ;*

    ResponderExcluir
  8. rsrsrsrsrsr... pelo menos deu tudo certo no final e não foi nada mais sério.

    Achei tão bonitinho o que sua cadela fez.:X Muito lindo mesmo..rs
    bjos

    ResponderExcluir
  9. Muito legal.
    Algumas histórias sempre acontecem nas nossas casas.
    Valeu pelo comentário.
    :)

    ResponderExcluir
  10. Adoro os de bolinhas, são tão perfeitos!
    Beijoos ;**

    ResponderExcluir
  11. Minha mãe é a Srta. Piti
    tudo é motivo para palidez
    kkkk

    ResponderExcluir
  12. Ah, não se preocupe, Mariah, isso acontece nas melhores famílias, hehehehehe!
    Obrigado pela presença lá em nosso niver!
    Bjoooo!!

    ResponderExcluir
  13. seu blog é muito legal flor
    bjks

    sougarotaradical.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Feriados são lindos e mães são assim mesmo! rs

    ResponderExcluir
  15. Gente,sei bem o que é acordar com gente passando mal em casa.
    Que bom que tudo deu certo.
    nessas horas os cachorros continuam sendo fofos,amo demais.
    Eles são espertos ao cubo.
    bjuss

    ResponderExcluir
  16. Às vezes me pergunto o que separa a emoção da razão…que linha bem fininha é esta na qual se vive tentando ficar em cima, caminhando em corda bamba, às vezes pendendo para um lado, ou para o outro…é talvez seja tudo negro, ou tudo colorido, depende de como vemos as coisas. E mãe, é só emoção!

    BeijooO'

    ResponderExcluir
  17. Depois que passa,tudo é engraçado

    ResponderExcluir
  18. ADORO o seu jeito de descrever situações corriqueiras com elegância! :D

    ResponderExcluir
  19. Nossa, fiquei até preocupada! Hahaha... Mãe é tudo igual, né?! Beijos.

    ResponderExcluir
  20. Me divirto muito com seus textos. Sua porção Meg Cabot é demais!! Vou fazer o piercing no nariz se deus quiser

    ResponderExcluir
  21. Mãe é tudo igual HAUAHSUHS
    adorei aqui.
    andei lendo por muitos dias, mas hoje resolvi comentar. HUM..
    :)

    ResponderExcluir
  22. wow, que historia ;~
    beeijo em vc linda!

    ResponderExcluir
  23. Eu tenho um arsenal de músicas de muse de tão fã que sou deles. huahauahaua
    BEIJÃO!

    ResponderExcluir
  24. Nossa! Que feriado, hein?!
    Minha mãe ficaria pior do jeito que ela é...USHAUHASUHUSAHSA
    beijos ;*

    ResponderExcluir
  25. euri mto depois disso tudo... sério..
    mais na hora da um aperto, né?

    ResponderExcluir

Todo mundo merece um comentário legal :)